terça-feira, 13 de maio de 2014

Poesia dedicada a mim.

De um grande e especial amigo:

Difícil te olhar e não se emocionar
Difícil te ver e não correr o risco de se apaixonar
Tua beleza só reflete teu interior tão lindo
A face de Deus resplandece, quando te vê sorrindo

Teus dias podem nem sempre, serem de alegria
Mas lembre-se: quem te disse que seria???
Dizer que nunca irá sofrer seria heresia
Mas te prometo, que darei motivos para viver com alegria

Lamento cada lágrima que tu choraste
Ou dor que tenhas passado
Lamento a distância que nos separa
E por nem sempre estar do teu lado

Tenha a certeza, pequena morena, que teus dias não serão sempre assim
Terás motivos para voltar a sorrir, eu te prometo, no que depender de mim
Não fique com medo, nem se sinta abandonada
Deus caminha contigo, te leva no colo nessa estrada

Peço desculpas se não sei dizer as palavras para esse momento
Um dia vou aí cuidar de você, pode esperar, não levará muito tempo
Fica com Deus e tenha muita fé, nunca desanime no seu caminhar
Dias ruins acontecem, para os bons você celebrar

Minha princesa, nunca se esqueça, que tudo na vida é aprendizado
Não se preocupe,erga a cabeça, pois sempre estarei ao seu lado


Por: Logan Menger

terça-feira, 1 de abril de 2014

Sensual não é o que tens, é o que és.

Pensando aqui...

A capacidade de seduzir não está relacionada apenas ao que vestimos ou desejamos mostrar ao mundo exterior. Ela está muito mais ligada com a maneira como nos sentimos intimamente, tem a ver com os resultados pelos quais lutamos, dentro de nós. Automaticamente expostos através de gestos, atitudes e olhares.
Quando você está bem consigo mesma, sem forçar, você transmite isso aos outros. 

Sensualidade e vulgaridade são coisas diferentes, uma não depende de outra. Melhor que ser uma mulher sensual, é ser NATURALMENTE sensual.
Ou seja, os seus olhos passam isso, os lábios, o jeito e até mesmo a escrita!

É claro que a maneira como você compõe a sua roupa influencia, mas, não é tudo. Entende? Não deve ser o foco.
Eu vejo a sensualidade de uma perspectiva diferente.
Claro, que quando falo de uma sensualidade estética, estilística, logo me vem a mente uma fotografia de semi-nudez à meia luz. Por exemplo. Mas, a questão aqui é a sensualidade cotidiana e natural.

Depois de um dia longo e cansativo de trabalho, correria, aula e você ainda consegue ouvir algo como: "Eu amo o seu sorriso, me deixa louco!", ou, "Os seus olhos, o jeito como você me olha, me deixa sem ação. Absorto!". Sim, eu já ouvi isso. E eu digo, é tão/ou melhor que "Gossstosa heim!"
Nós podemos ser irresistíveis sem forçar a barra, a sensualidade está no modo como agimos, como olhamos, como andamos, como viramos, como pensamos, como falamos, como escrevemos, como acariciamos e como lutamos.

A sensualidade não está no ter, está no SER.

Um abraço em minhas amigas leitoras (e meus meninos leitores).

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Das dores, a cicatriz. Da felicidade, os colibris.


(título meu)

Compartilho com vocês um poema no qual me vejo, me encontro e me perco:
Autoria de um grande amigo meu, aquele cujo me estendeu a mão, deu-me amparo justo no meu pior momento.
Feliz pela tua amizade, meu amigo Logan Menger!


"Estou diante do mar e com o olhar perdido
Tentando entender tudo que me tem acontecido
Difícil é o momento, grande meu lamento...
Mas fica a pergunta, existe vida sem sofrimento?

Diante do mar e na solidão dos meus pensamentos
Penso em que caminhos tomei até chegar nesse momento
A culpa dos meus erros não seria apenas minha?
reclamar da vida eu posso, mas isso bastaria?

Os ventos que passam na praia, parecem passar por mim...
Trazem a minha mente a dor das memórias que parecem não ter fim...
Lutando para me levantar, sinto meu corpo despedaçado.
Trago na alma dores esquecidas, dores de um recente passado...

Mas a tempestade não dura para sempre, um dia ela há de cessar
dias melhores terei pela frente, dias para comemorar...
Alguns amigos chegaram para ajudar...outros sairam sem avisar
Mas os melhores estiveram comigo e com esses pude contar

Minha história tem seus percalços, mas esta longe de seu final ainda..
"""   Não acabou até eu vencer..."repito essa frase como um mantra de vida...
agradeço a deus por estar comigo, mesmo não merecendo tanta atenção
tem sido mais que um amigo, tem sido um pai, me amando de coração...

Obrigado Deus amado, por nunca desisitir de mim...
Teve mometos que fraquejei, mas me amaste mesmo assim..
Deixo a todos essa certeza, que viver também é sofrer sim...
Mas se o final ainda não é feliz, é porque não chegamos ainda no fim."

Logan Menger!!!

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

País rico é país sem xenofobia.

    Brasileiros, além de xenófobos são racistas.
   Sobre a "não aceitação" dos médicos cubanos, só digo uma coisa: Além de burgueses são hipócritas!
   Mas, o decadente mesmo é ver pobre criticando a vinda deles para cá. É claro que o Sistema de Saúde Pública precisa de melhorias, os hospitais de equipamentos e etc, etc e etc. Mas a necessidade de médicos é tão ou mais urgente (alguém viu a reportagem sobre a médica que faz uma jornada de 58h sem parar? Não, isso ninguém viu né? Por que estão ocupados demais apontando o dedo pro governo).
   Precisamos desses médicos que GENTILMENTE aceitaram trabalhar no interior (onde o burguesinho que leva o jaleco até pra almoçar não quer trabalhar).
  E digo hipócrita porque se fosse o FHC trazendo médicos cubanos daí ele seria o Humanitário, o Bondoso, mas, como é o Governo Dilma daí não, é a Comunista que está derrubando "o gigante acordado (?)".
    Como o povo brasileiro gosta de um comodismo então opta por ser "coxinhas" mesmo.
   Ah sim e claro, a não ser que a Dilma trouxesse médicos estadunidenses e brancos, aahh daí sim. Seriam recebidos com tapete vermelho.
   Porque são cubanos e negros são inferiores? São desqualificados? E a gente ainda "enche a boca" para dizer que não somos racistas, que essa época passou, que o Brasil é um país de todos, que todos?  Todos os ricos, né?
   "Oww burguesinho, pra você que é tão patriota, ama cantar o hino nacional lá no estádio de futebol (onde pagasse o valor de metade do salário mínimo pra entrar) lembra da parte "Verás que um filho teu não foge à luta"? Então, isso se aplica a cumprir a sua missão onde a "nação" precisar. Sabia?"
   Sabe qual é a situação dos médicos que recusam a vinda dos cubanos? Se sentem ofendidos, porque acham que foram "substituídos". Igual os paulistanos que criticavam os nordestinos que iam pra São Paulo trabalhar, eles viviam reclamando que o nordestino estava indo pra lá pra "roubar emprego de paulistano", que eram todos incapazes e pobres, mas, era mentira, era mentira de gente gananciosa, porque o nordestino ia trabalhar onde o paulistano não queria, com a mão na massa, na obra, nas construções, na limpeza, nas faxinas... Não estavam roubando empregos, estavam ocupando vagas vazias, deixadas pelos paulistanos. E daí o governo PT cria o bolsa família que diminuiu esse "êxodo rural" do nordeste para SP e os ainda criticam o bolsa família. Vai entender!
   Enfim, os cubanos não estão roubando o espaço, eles estão ocupando a lacuna deixada pelos brasileiros, é bem diferente.

terça-feira, 9 de julho de 2013

INTERPRETE-ME.


   
Olá gente bonita, cá estou nessa tarde chuvosa e fria de 09 de Julho, estou querendo o que quis Djavan em "Nenhum dia": "Um dia frio, um bom lugar pra ler um livro...". Tirei uns minutos do meu serviço (arejar a mente né?) e resolvi escrever algo para vocês.
   Eu li uma frase hoje no Facebook (até compartilhei, rs) que dizia: "Livro é tão bom que deveria ser até elogio. Tipo: Você é tão... livro!". Eu conversava com minha amiga (e pastora) sobre a frase e ela me inspirou a escrever algo. 
   Para os leitores de plantão e amantes dos livros é uma bela frase né? Tão fofa! Mas, "livro" não poderia ser elogio, pois ele é ambíguo, como nós. Explico! (Ah gente, estou falando do livro como "objeto livro" e não sobre algum livro específico.)
   Você tem mais em comum com um livro que imagina sabia? Não despreze-o.
  Assim como um livro nós temos uma capa (uma pena que muitas pessoas nos julguem por ela), alguns são românticos, outros trágicos, conceituais, didáticos, ilustrados, de ajuda, reflexivos, grandes, pequenos, envelhecidos, novos, cheirosos ou não, uns famosos, outros quase anônimos, tem os que nos prendem, os que nos cansam, aqueles com pouco; com muito ou sem conteúdo; etc, etc e etc. 
   As pessoas têm um relacionamento com os livros muito interessante (assim como umas com as outras), algumas leem apenas os que lhes convém, outras leem de tudo pois querem conhecer tudo quanto desejam, há aquelas que tem livros para decoração (Ah, aquela estante da sala com um espaço vazio! É, livros ficam bem lá - Que trágico, mas, existe.), há pessoas que têm livros como manual de vida (como a Bíblia por exemplo, aliás, recomendo. É um livro fantástico! E nos traz muita coisa boa se soubermos interpretá-lo.), há quem ame-os tanto ao ponto de jamais deixá-los, vendê-los ou trocá-los, alguns, porém, não se apegam e largam deles sem maiores remorsos (Imagina, eu não largo. Há uns meses atrás, eu estava lendo o meu livro "Os Cães Baskerville" do Conan Doyle que comprei no SEBO, num dia de muuuita chuva eu deixei esse meu livro cair numa poça d'água antes de entrar no ônibus. Quando o ônibus partiu que eu senti a ausência do livro, na mesma hora eu gritei: "Aaai não, para motorista, eu preciso desembarcar, meu livro, meu livro". Ele ficou me olhando sério, abriu a porta da frente - eu ainda não tinha passado a catraca - saí correndo na chuva mesmo e quando cheguei na bendita poça ele estava lá, molhado, caído e triste. Eu o peguei e pedi mil desculpas - a mulher que estava parada próximo a mim ficou olhando sério e eu disse: "Ah é meu livro, deixei ele cair aqui na poça, que trágico". Ela só sorriu. Cheguei na casa de  um amigo meu, naquele dia, e pedi o secador de cabelo da irmã dele, fui secando cada parte molhada e depois coloquei debaixo de uma coisa pesada para ele voltar a ficar retinho... rsrsrs Enfim, deu tudo certo! Não ficou manchado, rasgado ou danificado. Mas, meu coração ficou em pedacinhos quando o vi na poça. E isso que era de SEBO rsrs).
   Mas enfim, é claro que não devemos tratar pessoas como livros, a minha "reflexão" é por outro viés (até porque as coisas foram feitas para serem usadas e as pessoas amadas, embora haja sempre os que amam as coisas e usam as pessoas.), eu me refiro ao significado que um livro tem e que pode ser muito parecido com o nosso significado. Quem nunca ouviu a expressão "Sou um livro aberto", querendo dizer: Tudo o que sou está exposto. Eu, por outro lado, digo que sou um Livro Fechado, não me avaliem pela capa, me segurem, me abracem, me abram, me leiam, mas, leiam todas as palavras, me decifrem, me interpretem. Eu vou amar. Quando você estiver numa biblioteca (lugar com muitas pessoas), observe os livros (pessoas), o jeito deles, os títulos (assim como buscamos alguns livros específicos porque dominamos o tema, ou porque queremos conhecer, também buscamos pessoas que se identifiquem conosco, as quais queremos conhecer e aprender), a quantidade, as qualidades, os gêneros... É normal que haja os clássicos, os desconhecidos, os marginalizados, os excêntricos, mas, lembre-se sempre: Não despreze-os. Conheça-os!
   Ler não é "só para quem estuda", ler é para todos. Ler melhora sua fala, sua escrita, seu conhecimento, seu intelecto, sua memória, sua lucidez... O mesmo efeito tem ao conhecer pessoas!
   Conheça livros, tenha pessoas!

Ps.: A divergência: Livros se compram, pessoas se conquistam. :)